ULTRASSONOGRAFIA

PÉLVICA TRANSVAGINAL BIDIMENSIONAL
Exame tradicionalmente realizado, porém, na situação de infertilidade o enfoque é diferente. O objetivo deste exame é avaliar aspectos patológicos dos ovários, da ovulação, da reserva ovariana, do endométrio, do útero, bem como posição anatômica dessas estruturas, já podendo sugerir alterações antes mesmo de exames mais invasivos ou dolorosos. Uma ultrassonografia pélvica realizada por especialista e reprodução humana pode já ser suficiente para fazer um diagnóstico acurado.

MAPEAMENTO PARA ENDOMETRIOSE PROFUNDA
Exame essencial na avaliação da paciente com esterilidade sem causa aparente e dor pélvica, assim como para aquelas com endometriose já diagnosticada previamente. É fundamental que antes de realizar tratamentos para engravidar tenhamos a certeza de não estar trazendo riscos à saúde, caso ocorra a gravidez. Por isso, saber se não há lesões de endometriose que possam provocar danos a órgãos como rins, bexiga e intestino durante a gestação é fundamental para auxiliar essas mulheres a terem uma gravidez saudável. Esse exame é realizado no Embrios Centro de Reprodução Humana e Ultrassom da Mulher. Leia mais aqui

ULTRASSONOGRAFIA PÉLVICA TRANSVAGINAL 4D
Exame específico para identificar alterações anatômicas uterinas, como malformações. Esse exame é realizado no Embrios Centro de Reprodução Humana e Ultrassom da Mulher. Leia mais aqui


COLETA DE SANGUE

DOSAGENS HORMONAIS

HORMÔNIOS SEXUAIS
Algumas patologias cursam com alterações hormonais, com aumento dos hormônios masculinos circulantes na mulher, como a Síndrome dos Ovários Policísticos e a Hiperplasia Adrenal Congênita. Alterações da prolactina também podem estar relacionadas à dificuldade de engravidar.

RESERVA OVARIANA
A reserva ovariana muitas vezes é desvalorizada em avaliações iniciais de casais com dificuldade para engravidar. A menopausa pode ser precedida por queda da reserva ovariana por até 8 anos, podendo levar a dificuldades de gestar já nesse período. Além disso, uma boa avaliação da reserva ovariana serve como alerta para agilizar o processo de gestação ou para a realização de tratamentos mais complexos que possam aumentar as chances de engravidar. Alguns desses exames são coletados no Embrios Centro de Reprodução Humana e Ultrassom da Mulher e enviados a laboratórios parceiros.

TIREOIDE
Alterações da ovulação podem ser provocadas por doenças da tireoide. Pacientes com pré-disposição a essas patologias podem ter risco aumentado para abortos e dificuldade para engravidar. Por isso, é fundamental a investigação da função desta glândula.

INVESTIGAÇÃO DE INFECÇÕES

SOROLOGIA PARA CLAMÍDIA
Principal bactéria associada à infecção pélvica feminina, gerando sequelas ao funcionamento das trompas uterinas. Associada também a infecções agudas ou crônicas do endométrio, que podem gerar falhas nos tratamentos para engravidar.

ZIKA VÍRUS
Com a comprovação pelo CDC (Centers for Disease Control and Prevention) da relação entre a infecção pelo Zika Vírus em gestantes e a ocorrência de microcefalia desses fetos, tornou-se obrigatória a investigação de infecção ativa durante a realização de tratamentos para engravidar. O Embrios Centro de Reprodução Humana e Ultrassom da Mulher disponibiliza a seus pacientes o teste rápido para detecção da infecção e encaminha para confirmação em laboratório parceiro. É norma da Agência Nacional de Vigilância Sanitária que toda paciente submetida a técnicas de reprodução assistida seja submetida à investigação do Zika Vírus.

AVALIAÇÃO GENÉTICA
Alterações genéticas, mesmo que a mulher não apresente nenhuma doença, podem contribuir para a formação corriqueira de bebês com problemas, geralmente incompatíveis com a vida, gerando abortos recorrentes ou falhas dos tratamentos para engravidar. Esses exames podem ser coletados no Embrios Centro de Reprodução Humana e encaminhados a laboratórios parceiros.


 

HISTEROSSALPINGOGRAFIA

É um exame que faz parte da investigação básica da infertilidade. Consiste em uma radiografia da pelve feminina após instilação de contraste iodado na cavidade uterina, para verificar a permeabilidade e conformação das trompas uterinas. Pode sugerir aderências pélvicas e mau funcionamento das trompas mesmo em trompas abertas. Realizado em clínicas especializadas e hospitais. Algumas pacientes podem queixar-se de dor durante o exame. Pacientes alérgicas ao contraste devem evitar a realização do exame e pacientes em uso do medicamento metformin, devem suspender o uso para a realização do mesmo.

HISTEROSSONOGRAFIA
Exame que associa a instilação de soro fisiológico na cavidade uterina à ultrassonografia pélvica. Identifica a presença de alterações anatômicas da cavidade uterina como sinéquias (fibrose entre as paredes uterinas), pólipos e miomas que distorcem a cavidade endometrial. Realizado no Embrios Centro de Reprodução Humana e Ultrassom da Mulher.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Utilizado para investigação da endometriose profunda e malformações uterinas. Exame realizado em clínicas e hospitais.

HISTEROSCOPIA
Exame utilizado para avaliar a cavidade uterina. Uma câmera muito fina é introduzida no interior do útero para avaliar diretamente o local onde o embrião irá se implantar. Realizado em ambiente hospitalar por médicos parceiros do Embrios centro de Reprodução Humana e Ultrassom da Mulher ou pelo próprio ginecologista.

VIDEOLAPAROSCOPIA 
Procedimento com vistas a diagnosticar e por vezes tratar alterações da pelve feminina. Realizado em ambiente hospitalar por médicos do Embrios Centro de Reprodução Humana ou por médicos parceiros, dependendo do tipo de intervenção necessária.

BIOPSIA ENDOMETRIAL
Pode ser realizada através da histeroscopia ou no consultório médico. Tem por objetivo identificar alterações endometriais que podem estar prejudicando a implantação do embrião, como falta de sincronismo entre a datação endometrial e embrionária ou inflamações. Alguns desses exames são encaminhados para laboratórios parceiros.

A biópsia endometrial também vem sendo estudada como forma de tratamento para aumentar as chances de gravidez em mulheres que realizam múltiplas transferências embrionárias em fertilização in vitro, de embriões saudáveis, sem sucesso.

TESTE PÓS-COITAL 
Consiste na coleta de material do colo uterino durante período ovulatório para identificar se os espermatozoides estão adequadamente atravessando a barreira do muco cervical. Pacientes com alteração nesse exame podem se beneficiar da inseminação intrauterina, caso tenham pelo menos uma trompa uterina normal.

Selecione abaixo para ver os demais passos da investigação da infertilidade.

No Comments Yet.

Leave a comment

WhatsApp
Enviar WhatsApp